O principal argumento favorável à desestatização de São Paulo é que a medida de passar certos passivos públicos para as mãos do setor privado irá resultar em R$ 5 bilhões para a nossa cidade – podendo esse valor chegar até mesmo em R$ 7 bilhões.

Sabe o que será feito com esse dinheiro todo? Ele deverá ser aplicado em áreas essenciais para a nossa melhoria quanto sociedade. E isso é mais que discurso político: já é lei! A Câmara autorizou que o montante arrecadado com as desestatizações vá obrigatoriamente para Fundo Municipal de Desenvolvimento, criado pela Lei 16.651/ 2017 e, por meio de uma emenda redigida pelo gabinete da Vereadora Janaína Lima e que foi acatada, o destino dessa verba precisa ser obrigatoriamente uma das áreas essenciais para a sociedade: Educação básica, Saúde, Segurança Pública, Habitação e Transporte.